Apstore

A Internet e a tecnologia móvel são mais que uma tendência para o futuro: são realidades revolucionárias dos tempos atuais e um caminho sem volta. Utilizar-se de suas funções é mais que uma experiência única, individual, quando a disponibilidade tem como objetivo o bem estar coletivo. Foi pensando nisso que a Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa), em parceria com a HiCode Desenvolvimento Mobile, lançou durante o 21º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, que está sendo realizado em Porto de Galinhas, Litoral Sul de Pernambuco, um conjunto de dez aplicativos (Apps) gratuitos: Audiologia, Disfagia, Disfonia Infantil, Fononcologia, Fonoaudiologia Educacional, Fonoaudiologia e Ensino, Linguagem, Motricidade Orofacial, Voz, Voz Profissional.

Para uma melhor compreensão dos profissionais interessados em utilizá-los, a SBFa realizará uma oficina sobre o uso destes aplicativos, durante o seu Congresso, dentro do “Fonoaudiólogo Empreendedor”, espaço destinado para esclarecimentos e orientações sobre o mercado de trabalho, focado na carreira, no planejamento e no preparo para o futuro profissional. Criados a partir de um material impresso, as FAQs (perguntas e respostas) produzidas pela SBFa para esclarecimentos à população leiga, os Apps poderão ser testados também no estande da Sociedade, através de gadgets. A oficina será ministrada pelas fonoaudiólogas Luciana Assanti e Ana Elisa Moreira-Ferreira.

“O objetivo desta oficina é, além de lançar oficialmente, mostrar formas criativas de utilizar os recursos oferecidos pelos Apps FonoFAQ no dia a dia do fonoaudiólogo, em diversos ambientes e situações, como em clínicas, empresas, escolas, campanhas. E ainda discutir sua aplicação tanto em promoção e prevenção, fazendo parte do nível primário de intervenção, como também integrando as ações nos processos de terapia para reabilitação”, esclarece Assanti.

Na adaptação dos APPs das especialidades fonoaudiológicas, o conteúdo foi atualizado e adaptado para a linguagem de dispositivos móveis, desenvolvidos em parceria com os departamentos da SBFa da gestão 2012-2013. Para cada especialidade, haverá 20 perguntas e respostas, sobre os conteúdos, denominados QUIZ, e acompanhados de 20 dicas.

Na sessão FAQ, o usuário terá acesso a todas as perguntas frequentes sobre o tema em questão e suas respectivas respostas, o que viabiliza uma busca rápida ao conteúdo desejado. O grande diferencial do formato móvel dos Apps é o QUIZ. Por meio dele o usuário fixa melhor o conteúdo enquanto interage. A cada resposta correta, além de pontos, o usuário ganha uma dica sobre o tema abordado na questão que complementa a resposta e reforça a aprendizagem. Ao abrir as dicas, há ainda a opção de compartilhar sua experiência no Facebook.

Ao criar os aplicativos para gadgets, a Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia observou diversas pesquisas que apontam para questões como ensino e aprendizagem. Assim, as funções dos Apps da SBFa estão baseadas também na presença de atividades que propiciem o engajamento ativo dos participantes do processo de aprendizagem, em ações que promovam o trabalho colaborativo, na interação e troca contínua de conhecimentos e que todo o conteúdo de aprendizado tenha relação com o mundo real e do dia-a-dia.

A cada ano, a tecnologia mobile avança rapidamente em todo mundo. O Brasil possui um mercado em expansão, com 261 milhões de linhas celulares ativas (dados Janeiro/2013) e ainda cresce o número de usuários de smartphones e tablets. “O app torna-se um recurso muito rápido e eficiente de aprendizado, uma forma de democratizar o conhecimento e, ao mesmo tempo, possibilita integrar a fonoaudiologia no contexto imprescindível das inovações tecnológicas atuais”, diz Ana Elisa Moreira-Ferreira.

Os aplicativos das especialidades da fonoaudiologia estão disponíveis no iTunes Store/Apple Store, gratuitamente, e podem ser baixados em qualquer dispositivo móvel compatível com sistema operacional iOS (da Apple). Não há, ainda, previsão de os aplicativos serem lançados para Android ou outros sistemas.

Fonte: Assessoria de Imprensa da SBFa